Por que Tarcísio Meira morreu mesmo com 2 doses de vacina contra covid?

|

Tarcísio Meira

O ator Tarcísio Meira morreu hoje aos 85 anos. Ele estava desde o dia 6 de agosto no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, em decorrência da covid-19. O estado de saúde do ator inspirava cuidados, já que ele estava intubado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e passava por "diálise contínua" por problemas nos rins, de acordo com o último boletim divulgado.

A esposa de Tarcísio, Glória Menezes, 86, também foi infectada pelo vírus, mas teve um quadro mais brando da doença e se recupera bem. Ambos haviam se vacinado com as duas doses da vacina contra o novo coronavírus em março na cidade de Porto Feliz, interior de São Paulo, onde se isolaram durante a pandemia.

Por que pessoas imunizadas morrem de covid-19? O caso de Tarcísio Meira não é isolado —embora seja considerado raro. Um estudo da Info Tracker, plataforma de monitoramento da pandemia da USP (Universidade de São Paulo) e da Unesp (Universidade Estadual Paulista), mostra que pessoas completamente vacinadas representaram somente 3,68% das mortes por covid-19 que ocorreram no Brasil entre 28 de fevereiro e 27 de julho.

Entre os imunizados, os idosos com mais de 70 anos, como Tarcísio Meira, são as principais vítimas, diz a pesquisa: dos 9.878 mortos completamente vacinados, 8.734 tinham mais de 70 anos. Casos assim são esperados, mas (repetimos) pouco comuns. Eles podem acontecer independentemente da marca do imunizante que a pessoa recebeu e não significam que as vacinas não funcionam.

De acordo com o imunologista Gustavo Cabral, colunista de VivaBem, as vacinas disponíveis atualmente no Brasil são seguras e bastante eficazes. No entanto, segundo ele, nenhuma vacina —e não apenas as contra o novo coronavírus— protege 100%. "Elas não são um 'escudo mágico'", diz o especialista. "As pessoas acham que a vacina é mágica. Ou seja, tomou a vacina, está protegido; não tomou, vai ficar doente. Não é assim que vacinas funcionam", concorda Natália Pasternak, doutora em microbiologia e presidente do Instituto Questão de Ciência. Para explicar como as vacinas funcionam, ela recorre a uma analogia com o futebol. "Uma boa vacina é como se fosse um bom goleiro. E como sabemos que o goleiro é bom? Vamos olhar o histórico dele. A frequência com a qual ele faz defesas. Se ele defende com frequência, ele é um bom goleiro. Isso não quer dizer que ele é invicto, que ele nunca vai tomar gol. Mas, mesmo se tomar gol, ele não deixa de ser um bom goleiro", diz.

"Mas se o time dele for uma droga, se a defesa do time dele for uma droga, ele vai tomar mais gol, porque vai ter muito mais bolas indo para o gol, então a probabilidade de ele errar aumenta", acrescenta. "A vacina diminui o seu risco de ficar doente, agora se você estiver numa área onde a defesa do time é ruim, onde o vírus está circulando muito, a probabilidade de você ficar doente aumenta", avalia.

Imunidade declina ao longo dos anos 

No caso das mortes de pessoas que foram imunizadas, Gustavo Cabral afirma que é preciso levar em consideração as características desses indivíduos. Idade, comorbidades e condições médicas específicas podem agravar os quadros da doença mesmo após a imunização completa.

Entre os idosos, por exemplo, é comum que o sistema imunológico sofra um declínio natural de suas funções com o avançar dos anos —um processo natural chamado de imunossenescência.

Com isso, é possível que o estímulo fornecido pelas vacinas não seja suficiente para gerar uma resposta imune satisfatória contra a doença e os indivíduos desse grupo podem ficar mais suscetíveis às contaminações —embora seja importante reforçar que esses casos não são considerados uma regra. 

(Viva Bem)

0 comentários:

Postar um comentário

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Ubatã Sul Notícias. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.

 

©2011 Ubatã Sul Notícias: Confiança e credibilidade nas notícias | Todos os direitos reservados | Desenvolvido por Davii Alvarenga - Leme Produtora